PROUNI MUNICIPAL 2018 - CLIQUE E SAIBA MAIS!

DAE aponta reservatórios em baixa e volta a pedir que moradores economizem água

Consumo aumenta demais nessa época do ano, devido ao calor, e desperdício é agravado por maus hábitos, aponta diretor do órgão responsável pela captação tratamento e distribuição de água na cidade.

O combate ao desperdício de água tratada tem sido uma preocupação em todas as cidades do estado, e em Jaguariúna não é diferente. De acordo com o DAE – Departamento de Água e Esgoto – a situação dos níveis de água nos reservatórios chega ao estado crítico nos dias mais quentes, quando o forte calor leva muitas pessoas a cometerem excessos.

“Não se trata de discurso, mas sim de precaução e da responsabilidade que cada um de nós deve ter, pois se há uma interrupção no fornecimento todo mundo reclama. Alguns com razão, outros não”, resume Regis Totti Seben, engenheiro responsável pelo DAE, que revela com facilidade quais são os hábitos de desperdício mais comuns na cidade.

– lavar calçadas com a mangueira, usando-a para ‘varrer’ a sujeira com a força do jato d’água;

– banhos demorados, com o chuveiro aberto o tempo todo;

– lavar veículos com a mangueira d’água aberta;

– Deixar crianças brincando com mangueira de água aberta;

– deixar a torneira pingando e não conter vazamentos em casas e prédios;

“Em geral, esses são os mais comuns e os mais conhecidos, mas há outros, e é aí que temos que contar com a colaboração de cada morador, pois o consumo, nessa época de final de ano, devido ao calor, aumenta demais, diz o engenheiro. Segundo Regis Seben, um levantamento feito pela Cetesb (Companhia Ambiental do Estado de São Paulo), 15 minutos com a torneira aberta para lavar roupas, consome 140 litros de água.

Já o Ministério das Cidades faz outro alerta: o desperdício de água no Brasil é bem mais elevado que na Alemanha, por exemplo, e atinge um volume total correspondente a 38,8% de toda a água tratada. No país europeu o desperdício é de 9%.

Portanto, combater o desperdício de água é uma tarefa que não cabe só ao setor público, a quem cabe captar, tratar e distribuir água potável de boa qualidade para o consumo humano. É dever, também, do cidadão em seu uso doméstico, pois não é intenção da prefeitura multar ou punir, sem antes conscientizar sobre a importância de usar água tratada de forma responsável e para situações específicas, como cozinhar e tomar banho.

 

Reportagem: Aluízio Santana

Fotos: Ivair Oliveira