Prefeitura anuncia implantação do primeiro Centro de Atendimento ao Autista em Jaguariúna

Acolhimento. Essa é a palavra mais adequada para definir a reunião realizada na manhã desta segunda-feira, 20 de maio, entre a Secretaria Municipal de Saúde e um grupo de 12 mães de crianças autistas. Durante o encontro, a titular da pasta, secretária Maria do Carmo de Oliveira Pelisão, anunciou a implantação do primeiro Centro de Atendimento ao Autista em Jaguariúna. Segundo ela, o atendimento especializado é uma reivindicação antiga de pais de crianças autistas, uma vez que enfrentam várias dificuldades.

“A história começa lá atrás, pois muitas mães ficam sabendo que seu filho é autista bem depois do primeiro alerta, geralmente feito nas Escolinha por uma Tia (pajem). Depois disso, para fazer os exames necessários e comprovar é uma luta. Então, estamos felizes em saber que as portas estão abertas para que nossos anseios se tornem realidade e tenhamos um atendimento adequado para os autistas”, disse a assistente social Biana Maria Nobre de Lima, porta-voz do grupo e mãe de dois filhos, ambos autistas.

Depois de ouvir as colocações da maioria das participantes da reunião, Maria do Carmo de Oliveira Pelisão anunciou a tão esperada resposta e arrancou aplausos das mães. “Sei das angústias que vocês enfrentam e quero que saibam que, por determinação do prefeito Gustavo Reis, já na última sexta-feira (17/05) nos reunimos com profissionais especializados na questão do autismo e temos uma boa notícia: a Prefeitura vai criar um Centro de Atendimento Especializado para pessoas com Transtornos do Espectro Autista (TEA), dando atenção, também, às suas famílias”, anunciou.

Conforme a secretária de Saúde, o atendimento especializado deverá ser implantado dentro do Centro de Equoterapia Jaguariúna, num espaço a ser estruturado para acomodar uma equipe multidisciplinar e especializada em Transtornos do Espectro Autista (TEA), composta por psicólogo, fonoaudiólogo, terapeuta ocupacional, médico e demais profissionais para atendimento integral. A meta é que os primeiros atendimentos comecem a partir de junho.

O prefeito Gustavo Reis, por sua vez, disse que o atendimento especializado aos autistas em Jaguariúna faz parte da política de saúde em sua administração, que busca atender as necessidades prioritárias dos diversos usuários do SUS (Sistema Único de Saúde) que buscam atendimento na rede municipal. “Não medimos esforços para atender as necessidades da população de Jaguariúna e estamos à frente de muitas cidades, também nessa questão do atendimento aos autistas”, disse.

Convênio

 Atualmente, a Prefeitura de Jaguariúna mantém convênio com o Centro de Equoterapia Jaguariúna e banca custos e transporte para que 150 crianças e adolescentes da cidade, todos portadores de algum tipo de doença mental ou degenerativa, recebam atendimento. Estudos comprovam que conviver com um animal, seja ele qual for, traz inúmeros benefícios.

Sob esse aspecto, os cavalos têm ocupado um papel de destaque em alguns tratamentos, especialmente na equoterapia, atividade que estimula o desenvolvimento da mente e do corpo. A notícia não só agradou como deixou as mães aliviadas, pois todas relatam muita dificuldade em terem um atendimento especializado.

“Para que uma criança autista se submeta a um exame de tomografia, por exemplo, ela precisa ser sedada (anestesiada), é necessário haver um anestesista presente e uma sala de suporte, em caso de reação aos efeitos da anestesia. Isso não é feito aqui e nem na maioria das cidades. Então, temos que contratar esse serviço, seguindo o que determina a lei das licitações, conforme o custo”, explica Maria do Carmo.

Esses e outros aspectos serão estudados, segundo a secretária de Saúde. Na avaliação dela, o que não for possível fazer de exames complexos em Jaguariúna, pois o Hospital é de média complexidade, pode ser obtido via Central de Regulação Regional, junto à Secretaria Estadual de Saúde, ou mesmo adquirido via convênios. “Hoje mesmo (20/05) uma equipe visitará o Centro de Equoterapia Jaguariúna para avaliar como poderemos adaptar lá uma sala de atendimento especializado para os autistas”, assegura Maria do Carmo. Na avaliação do grupo de mães que a procurou, existem mais de 120 pessoas – de idades variadas – com TEA (Transtornos do Espectro Autista) em Jaguariúna.

Reportagem e fotos: Aluízio Santana