Prefeitura ministra Capacitação em Primeiros Socorros a profissionais da Educação

Educadores receberam orientações sobre como agir ao prestar o primeiro atendimento a bebês e crianças vítimas de engasgos e/ou sufocamento em unidades da rede municipal de ensino.

Educadores e professores dos Centros de Educação Infantil (CEI’s) de Jaguariúna iniciaram na segunda-feira, 9 de outubro, a participação em um curso de Capacitação em Atendimento Pré-Hospitalar/Primeiros Socorros, ministrado pelo enfermeiro Henrique Carvalho, especialista em urgências e emergências da Secretaria Municipal de Saúde que presta serviços na UPA (Unidade de Pronto Atendimento) “Dra. Ana Olívia Bentivoglio”.

O curso faz parte do processo permanente de capacitação profissional incentivado pela Prefeitura e é realizado em parceria pelas Secretarias municipais de Educação e de Saúde. De acordo com a secretária de Educação, Cristina Pinto Catão Bonini Hosikawa, essa primeira capacitação aconteceu no auditório da Secretaria e será disponibilizada para todas as unidades da educação infantil.

O curso de Capacitação em Atendimento Pré-Hospitalar terá três horários distintos, que é para atender todos os funcionários que trabalham com educação infantil (bebês e crianças) na rede municipal de ensino. Os próximos estão agendados para os dias 17 e 25 de outubro, e 8 de novembro.

Manobra eficaz

O cronograma do curso inclui noções sobre “o que é engasgo” (bloqueio da traqueia por objeto estranho) e como proceder no caso de um bebê ou uma criança virem a passar por essa situação. Nesse caso, o recomendado é recorrer à “Manobra de Heimlich”, que consiste em fazer uma pressão positiva na região da boca do estômago da criança.

Realizada corretamente a manobra ajuda a desobstruir a passagem de ar e resulta na retirada do corpo estranho que impede o processo natural de respiração. A iniciativa se justifica por ser um trabalho preventivo que pode salvar vidas. De acordo com um relatório do Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos, divulgado em 2011, engasgos causaram 4,5 mil naquele país somente em 2009.

Dados preocupantes

Além disso, outro relatório, este de 2013, revela que entre 2001 e 2009 foi registrada a média de 12.435 casos por ano, de engasgos relacionados à alimentação envolvendo crianças menores de 14 anos. Todas passaram por atendimento nos Prontos Socorros norte-americanos. Outro dado preocupante é que engasgos e sufocamentos são responsáveis por quase 40% dos acidentes com crianças menores de um ano de idade.

No Brasil, casos de sufocação e engasgamento ocupam o 3º lugar no ranking de mortes de crianças vítimas de acidentes desse tipo e representam, ainda, a primeira causa em situações de crianças com até 1 ano de idade.

De acordo com o relatório, todo ano o Brasil registra mais de 700 mortes de crianças vítimas de sufocação ou engasgamento. Portanto, é fundamental haver supervisão total de um adulto para evitar que crianças tenham contato com objetos e acessórios que possam facilmente ser levados à boca. Esta foi uma das principais razões do treinamento e capacitação ministrados aos educadores da rede municipal de ensino de Jaguariúna.

Reportagem: Aluízio Santana

Fotos: Samuel Oliveira